É possível que os efeitos de um programa de prevenção se mantenham por um longo tempo?

Por Júlia D Gusmões


Pesquisadores Australianos fizeram um longo estudo com o intuito de descobrir a sustentabilidade dos efeitos de dois programas de prevenção ao uso de álcool: Climate Schools e Preventure. O estudo consistiu em sortear 26 escolas, totalizando mais de 2 mil estudantes (media de idade 13 anos), em quatro grupos. Os grupos foram compostos de: i) os que receberiam um programa virtual universal, ou seja, para todos os estudantes (Climate Schools), ii) os que foram considerados como em maior risco para o uso de álcool e receberiam um programa seletivo (Preventure), iii) os que receberiam os programas combinados (Climate Schools e Preventure), e iv) o grupo que não receberia nenhum programa e teria a função de servir de controle.

Para avaliar o efeito dessas intervenções foram coletados dados antes da oferta do programa (2012) e 7 anos depois (2019), por meio de questionário de autopreenchimento. 7 anos depois da implementação do programa, foi evidenciado que os estudantes que pertenceram os três grupos de intervenção (universal, seletivo e combinado) demonstraram uma redução dos danos causados pelo álcool em comparação com os estudantes que não receberam nenhuma intervenção (grupo controle). Em relação aos grupos que receberam apenas uma intervenção (universal ou seletiva), os adolescentes apresentaram menor chance de ter um uso preocupante de álcool do que aqueles do grupo controle. Ainda, o grupo que recebeu o programa seletivo (Preventure) teve menor chance de usar álcool semanalmente do que o grupo controle e, entre os adolescentes que receberem o programa universal (Climate School), houve menor chance dos adolescentes reportarem beber em binge (ou seja, consumir 5 doses ou mais de álcool em uma única ocasião) em relação aos que não receberam nenhum programa.

Assim, este estudo demonstrou que as intervenções preventivas universais e seletivas realizadas nas escolas podem ter efeitos positivos e duradouros na redução do consumo de álcool de risco e nos danos relacionados. Além disso, foi verificado que nenhum benefício adicional foi observado em implementar as duas intervenções combinadas.


Fonte: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0890856721019997