Uso de substâncias pelos adolescentes durante a pandemia Covid-19

Por Patricia Galvão


Um estudo com adolescentes canadenses forneceu informações importantes

sobre como o uso de substâncias por estes adolescentes mudou desde a pandemia de COVID-19. Os participantes completaram uma pesquisa online, na qual relataram a frequência do uso de álcool, consumo excessivo de álcool, uso de maconha e de cigarro eletrônico nas 3 semanas antes e imediatamente após as práticas de distanciamento social terem entrado em vigor.

O percentual de adolescentes que usou álcool não mudou significativamente de pré-COVID para pós-COVID, porém a frequência de uso (número médio de dias de uso de álcool) aumentou. Além disso, a porcentagem de adolescentes que bebeu em excesso (binge drinking) e usou cigarro eletrônico caiu significativamente e não houve nenhuma mudança significativa na frequência nestes comportamentos. Já, a porcentagem de uso de maconha diminuiu apenas para meninas e a frequência de uso aumentou significativamente de pré-COVID para pós-COVID.

Além disso, 42% destes adolescentes relataram usar substâncias com os pais

durante a pandemia de COVID-19, um dado preocupante uma vez que os adolescentes que bebem com os pais são mais propensos a se envolverem em comportamentos de bebedeiras de alto risco fora de casa. Neste estudo, os meninos eram mais propensos a usar as substâncias sozinhos e junto, presencialmente, com colegas do que as meninas. Elas, ao contrário, foram mais propensas a usar substâncias com os pais e a enviar mensagens de uso de substâncias para colegas.

Preocupações sobre como o distanciamento social afetaria a reputação com os colegas foi um indicador significativo do uso de drogas presencialmente com amigos entre os adolescentes deste estudo que relataram ter baixa popularidade. Além disso, a depressão e o medo de se contaminar com o vírus COVID-19 favoreceram o uso solitário de substâncias durante a pandemia. Estes fatores indicam também problemas de saúde mental e de enfrentamento, uma preocupação notável, digna de uma investigação futura mais aprofundada.


Fonte: Dumas et al, 2020 - https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC7368647/




Copyright © 2019. Todos os direitos são reservados ao Núcleo de Pesquisa em Prevenção ao Uso de Álcool e outras drogas (Previna). O conteúdo deste site é protegido pela Lei de direitos autorais (Lei nº 9.610/1998), sendo vedada a sua reprodução, total ou parcial, a partir desta obra, por qualquer meio ou processo eletrônico, digital, ou mecânico (sistemas gráficos, microfílmicos, fotográficos, reprográficos, de fotocópia, fonográficos e de gravação, videográficos) sem citação da fonte e a sua reprodução com finalidades comerciais.