Compulsão alimentar no Rio de Janeiro apresenta taxas preocupantes

Por Mireille Almeida


A compulsão alimentar é definida por um episódio de ingestão excessiva de alimentos, acompanhado de uma sensação de perda de controle ao comer. Quando ocorre de maneira frequente e prolongada, essa compulsão é característica de alguns transtornos alimentares, como bulimia nervosa e transtorno de compulsão alimentar.

Recentemente, cientistas especialistas em transtornos alimentares divulgaram dados de um grande estudo realizado na cidade do Rio de Janeiro. Eles identificaram que 6% da população apresentava episódios recorrentes de compulsão alimentar, que podem evoluir para transtornos alimentares propriamente ditos e causar graves prejuízos.

Além da alta prevalência da compulsão alimentar mostrada nesse estudo (semelhantes à dos países desenvolvidos), os autores identificaram que os indivíduos com compulsão alimentar apresentavam taxas maiores de outras doenças quando comparados aos que não tinham compulsão (como depressão, ansiedade, hiperatividade, uso de álcool, diabetes, obesidade e dor crônica). Essas condições associadas costumam estar relacionadas ao próprio comportamento compulsivo, que é acompanhado de culpa, vergonha, tristeza, e pode ainda acarretar importante aumento do peso corporal. Também foram evidenciados entre os participantes acometidos prejuízos sociais, familiares, na capacidade funcional e na qualidade de vida, demonstrando que a compulsão alimentar pode comprometer diversos aspectos da vida além da própria alimentação. Por último, quando questionados sobre tratamento, boa parte dos indivíduos com compulsão alimentar declararam não estar em acompanhamento específico, e uma pequena parcela havia procurado profissionais de saúde mental (psiquiatras e psicólogos), que são considerados essenciais para recuperação adequada desses quadros.

Os dados divulgados confirmam a importância da compulsão alimentar enquanto achado comum e potencialmente lesivo, chamando a atenção para a necessidade de estratégias de saúde pública direcionadas para o reconhecimento precoce e manejo efetivo dos indivíduos afetados.


Fonte: Appolinario, J. C., Sichieri, R., Lopes, C. S., Moraes, C. E., da Veiga, G. V., Freitas, S., ... & Hay, P. (2022). Correlates and impact of DSM-5 binge eating disorder, bulimia nervosa and recurrent binge eating: a representative population survey in a middle-income country. Social psychiatry and psychiatric epidemiology, 1-13.