top of page

Estudo revela impacto dos problemas de saúde mental no consumo de álcool na adolescência


O uso de álcool é amplamente reconhecido como um dos principais fatores de risco para a mortalidade prematura, incapacidade e problemas de saúde em escala global. Os adolescentes são particularmente vulneráveis aos impactos do consumo de álcool, sendo necessário pensar em formas de prevenir esse consumo precoce.

Um estudo conduzido em três cidades brasileiras - São Paulo, Fortaleza e Eusébio - trouxe à tona importantes descobertas sobre os fatores de risco relacionados ao consumo de álcool em adolescentes. A pesquisa, realizada com 2368 alunos do 8º ano do ensino fundamental em 37 escolas públicas, analisou como a saúde mental dos jovens desempenha um papel crucial no envolvimento deles com consumo abusivo de álcool e problemas associados. Para tal, o estudo utilizou uma classificação bastante conhecida no campo da saúde mental, identificou os jovens que tinham problemas externalizastes, como dificuldade de controlar impulsos, agressividade e hiperatividade, e aqueles que tinham problemas internalizantes, como retraimento excessivo, ansiedade intensa e dificuldades emocionais e nas relações com os amigos.

Os resultados desse estudo apontam que os adolescentes, tanto as meninas como os meninos, com problemas externalizantes são mais vulneráveis para realizarem um consumo abusivo de álcool. Sendo que os meninos com problemas externalizantes também têm maior risco para terem problemas relacionados ao consumo de álcool como envolvimento em acidentes, brigas e hospitalização. Por outro lado, meninas que apresentam problemas internalizantes também estão em maior risco para beberam de forma excessiva.

Esses resultados destacam a necessidade de que se invista em intervenções preventivas voltadas para saúde mental das crianças e adolescentes, uma vez que aqueles que apresentam problemas emocionais e de conduta estão mais vulneráveis para se envolverem com uso abusivo e problemático de álcool. Programas baseados em aprendizado social e emocional são sugeridos como abordagens eficazes para reduzir os problemas de saúde mental e o consumo de álcool em adolescentes.

Em resumo, compreender as complexas interações entre problemas de saúde mental e consumo de álcool em adolescentes é crucial para informar políticas públicas e estratégias preventivas eficazes.





Para mais detalhes, acesse o artigo na integra em:

Valente, J., Pietrobom, T., Mihic, J., Caetano, S., Mari, J., & Sanchez, Z. M. (2023). Externalizing and internalizing problems as predictors of alcohol-related harm and binge drinking in early adolescence: The role of gender. Journal of Affective Disorders, 327, 167–174. https://doi.org/10.1016/j.jad.2023.01.004




bottom of page